Museu Nacional reabre ao público exposições fechadas há quatro anos para revitalização

O Museu Nacional da Quinta da Boa Vista inaugura na próxima segunda, 30 de setembro, a exposição permanente Conchas, Corais, borboletas, reabrindo duas galerias há mais de quatro anos fechadas ao público para revitalização. A exposição compreende as antigas mostras de Invertebrados e Entomologia inauguradas em 1960 e que nunca tinham passado por uma modernização. São mais de 2 milhões de itens originais expostos em uma área de 350 m2 totalmente restaurada. Entre as novidades constam a réplica em tamanho natural de uma lula gigante, a reprodução ampliada de dois insetos microscópicos, e a instalação artística que apresenta o panapaná – voo sincronizado de um bando de borboletas. Destaque ainda para as 27 caixas de insetos, onde os besouros e as borboletas são a grande atração visual. O custo total da revitalização dessas exposições foi de R$ 500 mil, obtidos através da Caixa Econômica Federal, do CNPq e da Associação Amigos do Museu Nacional (SAMN). A nova exposição estará aberta ao público a partir do dia 1º de outubro, das 10 às 16 horas.

O Museu Nacional da Quinta da Boa Vista inaugura na próxima segunda, 30 de setembro, a exposição permanente Conchas, Corais, borboletas, reabrindo duas galerias há mais de quatro anos fechadas ao público para revitalização.

O Museu Nacional da Quinta da Boa Vista inaugura na próxima segunda, 30 de setembro, a exposição permanente Conchas, Corais, borboletas, reabrindo duas galerias há mais de quatro anos fechadas ao público para revitalização. A exposição compreende as antigas mostras de Invertebrados e Entomologia inauguradas em 1960 e que nunca tinham passado por uma modernização. São mais de 2 mil itens originais expostos em uma área de 350 m2 totalmente restaurada.

Entre as novidades constam a réplica em tamanho natural de uma lula gigante, a reprodução ampliada de dois insetos microscópicos, e a instalação artística que apresenta o panapaná – voo sincronizado de um bando de borboletas. Destaque ainda para as 27 caixas de insetos, onde os besouros e as borboletas são a grande atração visual. O custo total da revitalização dessas exposições foi de R$ 500 mil, obtidos através da Caixa Econômica Federal, do CNPq e da Associação Amigos do Museu Nacional (SAMN). A nova exposição estará aberta ao público a partir do dia 1º de outubro, das 10 às 16 horas.

Recuperação do espaço e resgate do acervo

O projeto de revitalização das exposições teve como objetivo a preservação e divulgação das coleções e os processos vinculados às pesquisas recentes nas áreas de Entomologia e Invertebrados dando destaque aos mais relevantes exemplares das faunas brasileira e estrangeira que integram o acervo do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi dada ênfase aos aspectos dos respectivos habitats naturais, o histórico das pesquisas desenvolvidas sobre o tema e sua ligação com o meio ambiente nas sociedades contemporâneas.

A exposição Conchas, Corais, borboletas está estruturada em sete módulos sequenciais que são apresentados segundo a biologia, anatomia, distribuição geográfica, habitat, importância científica e econômica, e variabilidade (diversidade morfológicas e cromáticas) das espécies. Foi levada em consideração a apresentação de espécimes mais conhecidos, mas também os mais raros, os mais curiosos e ou de maior beleza.

A curadoria acadêmica (seleção de acervo, conceito, textos explicativos, diagramas, mapas e legendas) coube aos professores dos Departamentos de Entomologia e Invertebrados do Museu Nacional. Para tanto, foi recuperado um novo espaço composto de duas grandes galerias com 350m² no total: pintura das paredes, recuperação das esquadrias e do piso, instalação de cortinas térmicas. Esse espaço expositivo contínuo e a ampla perspectiva das duas galerias permitiu a utilização de meios museográficos mais arrojados proporcionando maior visibilidade à exposição.

A higienização, conservação e montagem do acervo foram realizadas pelo Setor de Museologia (SEMU) que também elaborou o projeto museográfico juntamente com um escritório de design contratado. Este último foi encarregado pelo projeto gráfico que completa a exposição.

O projeto expositivo consta de: projeto de iluminação das salas e das vitrines, confecção de 27 novos expositores, 9 vitrines horizontais, 15 verticais e mais 3 expositores de grandes dimensões (8 m x 4,50mts), 27 caixas entomológicas, 4 totens para biomas, 6 totens para TV com vídeos relativos aos módulos (Porífera, Cnidários, Malacologia, Equinodermos, Crustáceos, Aracnologia e Entomologia), 1 borboletário artificial de (6,5m de altura), 1 grande vitrine para caranguejo gigante (peça original restaurada), 2 quadros com diagramas esquematizados da historia evolutiva de espécies (cladogramas), réplicas de insetos (em grandes dimensões), réplica de uma lula gigante, além de painéis com textos informativos.

Os departamentos de invertebrados e entomologia

O Departamento de Entomologia do Museu Nacional teve origem em 1842 como um dos setores da antiga Seção de Zoologia e adquiriu o status de Laboratório de Entomologia Geral e Agrícola a partir de 1916. Em 1971 passou a ser reconhecido como um dos departamentos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua coleção conta hoje com cerca de cinco milhões de exemplares, sendo um dos principais centros de referência para o estudo da fauna entomológica da América do Sul. Um dos pesquisadores mais importantes que passaram pelo Departamento, o Prof. José Cândido de Melo Carvalho, quando diretor do Museu, inaugurou a primeira exposição permanente de insetos em 1960.

A origem do Departamento de Invertebrados está ligada à atuação de naturalistas pioneiros no Brasil que, em meados do século XIX, já se encontravam nos gabinetes do Museu Nacional, integrando a Seção de Zoologia. Em 1971 passou a ser reconhecido como um dos departamentos da UFRJ, atuando na pesquisa, ensino e extensão, e contribuindo para a formação de várias gerações de estudantes. Suas coleções científicas de diversos grupos de invertebrados, sobretudo esponjas-do-mar, cnidários, equinodermos, moluscos, crustáceos e aracnídeos, estão entre as mais importantes do mundo, reunindo milhares de exemplares, especialmente da fauna brasileira marinha, terrestre e de água-doce, e servem como contínua fonte de dados para a pesquisa sobre biodiversidade do Brasil.

O Museu Nacional da Quinta da Boa Vista

O Museu Nacional/UFRJ foi fundado em 6 de junho de 1818 por D. João VI, com o intuito de promover o progresso cultural e econômico no país. Inicialmente sediado no Campo de Santana, só veio a ocupar o Palácio de São Cristóvão a partir de 1892, três anos após a Proclamação da República.

Atualmente o Museu Nacional integra a estrutura acadêmica da Universidade Federal do Rio de Janeiro e detém a maior coleção de História Natural e Antropologia da América do Sul. As peças que compõem as exposições abertas ao público são parte dos 20 milhões de itens das coleções científicas conservadas e estudadas pelos Departamentos de Antropologia, Botânica, Entomologia, Geologia e Paleontologia, Invertebrados e Vertebrados.

A exposição Conchas, Corais, borboletas integra o Programa Estratégico de Revitalização do Museu Nacional que leva em consideração a importância da instituição no cenário cultural brasileiro, demonstrado pela expressiva visitação de 300 mil pessoas/ano, e por ser referência nas áreas das Ciências Naturais e Antropológicas interessando aos pesquisadores brasileiros e estrangeiros.

 

SERVIÇO

 Exposição Conchas, Corais, borboletas

(exposição permanente dos departamentos de Invertebrados e Entomologia)

Museu Nacional/UFRJ

Quinta da Boa Vista – Bairro Imperial de São Cristóvão – Rio de Janeiro

Aberto de terça a domingo, das10 às 16 horas

Ingressos: R$ 3 (inteira) e R$ 1 (meia)

Gratuidade: idosos e portadores de necessidades especiais

Telefone: 21 2562-6900

www.museunacional.ufrj.br

 

Realização

UFRJ | Museu Nacional

Patrocínio

Caixa Econômica Federal

CNPq

Associação Amigos do Museu Nacional (SAMN)

Detalhes do evento:


Loading Map....

Dia(s): 30/09/2013
Horário: 16:00 - 18:00

Local: Museu Nacional da UFRJ
Quinta da Boa Vista, São Cristóvão
Rio de Janeiro - RJ CEP 20940-040

Categoria(s):

Inscrição:

A confirmação de inscrição no evento é de responsabilidade do organizador do mesmo.

Valor: Gratuito
Período de inscrição:Não foi informado
Site: Não foi informado
Instituição responsável: Não foi informado
Email do organizador:Não foi informado
Telefone de contato: Não foi informado

Comments are closed.