Mostra Mais 2017

A MOSTRA MAIS é a apresentação dos experimentos teatrais elaborados ao longo da disciplina “Direção VI”, do curso de Direção Teatral da Escola de Comunicação da UFRJ.

A edição de 2017 ocorrerá de 19/06 a 05/07/2017, de SEG a SEX na Sala Oduwaldo Vianna Filho (Vianninha), da Escola de Comunicação da UFRJ – campus da Praia Vermelha.
Além das peças, realizaremos também uma palestra, o Seminário de Pesquisas e apresentações de Performances da Dança.

ENTRADA FRANCA! Senhas 1 hora antes! SUJEITO À LOTAÇÃO.

Programação para baixar no celular: q-r.to/baljHM

Programação para ler no issuu: https://issuu.com/direcaoteatral-ufrj/docs/revista_mostra_mais_2017_-_on_line

Av. Pasteur, nº 250 – Campus da Praia Vermelha
(entrada também pela Av.Venceslau Brás, nº 71 – ao lado do Hospital Phillipe Pinel)
Vá de transporte público! > http://bit.ly/2slSp5b

Contato: mostraufrj@gmail.com

PROGRAMAÇÃO:

19/06 (SEG) e 20/06 (TER), 20h
“Vida de Galileu”, de Bertolt Brecht
Direção: Ian Calvet
Classificação indicativa: 12 anos
Sinopse: O cientista Galileu Galilei descobre que é a Terra que gira em torno do Sol, e não o oposto. A revelação se apresenta como ameaça aos setores mais conservadores da época, que reagem para calar o apaixonado Galileu.

21/06 (QUA), 18h
PALESTRA: “Leis de fomento, calotes e políticas públicas: reformulação e sobrevivência do teatro no Rio de Janeiro”
Com Gustavo Guenzburger
Professor colaborador e pesquisador no PPGAC da UNIRIO.
Bolsista do Programa Pós-doutorado Nota 10 da FAPERJ.
Ator, diretor e produtor.
Conselheiro Municipal de Cultura e ativista do movimento Reage, artista!
O Rio de Janeiro vive hoje um dos maiores vazios de políticas públicas para a cultura dos últimos anos, reflexo de uma crise institucional, econômica e de valores que atinge toda a sociedade brasileira. Com as mudanças recentes nos quadros políticos, os órgãos de cultura do Governo Federal e do Estado do Rio perderam seu poder de ação para virarem moeda de troca partidária. No Município, o presente impasse gerado pelo calote do governo Eduardo Paes no edital de fomento de 2016 abriu espaço para uma grande discussão sobre as políticas de fomento à cultura na cidade. Políticas de Estado, fomento direto, incentivo indireto, fundos de cultura, calendário anual, economia da cultura, trabalho continuado do artista, marcos legais: mais que nunca os criadores de teatro precisam conhecer e discutir os temas que definirão os novos rumos e a sobrevivência da sua criação.

22/06 (QUI) e 23/06 (SEX), 18h
“Um Marido Ideal”, de Oscar Wilde
Direção: Felipe Valentim
Classificação indicativa: 14 anos
Sinopse: Política e casamento se interpenetram em um jogo que compromete a imagem pública de Juan Perón. Para escapar das chantagens da sedutora Laura Duarte, ele recorre ao carisma da esposa, Eva, e à astúcia de seu companheiro de farda, Antonio Castellos.

22/06 (QUI) e 23/06 (SEX), 20h
“quero ser máquina”, adaptação de “Hamletmáquina” de Heiner Müller
Direção: Anna Duran
Classificação indicativa: 16 anos
Sinopse: Duas crianças deixadas à beira-mar se refugiam no corpo de um ator e uma atriz. Em cena, sobrevive-se à orfandade através dos jogos gerados pela dramaturgia original e pela criança como modelo de um mundo de forças criativas e destrutivas.

26/06 (SEG) e 27/06 (TER), 18h
“Fando e Lis”, de Fernando Arrabal
Direção: Giullia Luciano
Classificação indicativa: 16 anos
Sinopse: Fando e Lis buscam a cidade de Tar, lugar onde tudo é perfeito. Quando o caminho lhes parece completamente vazio e silencioso, surgem Namur, Mitaro e Toso, os homens de guarda-chuva, cujo destino também é Tar.
.
26/06 (SEG) e 27/06 (TER), 20h
“Os Cegos”, de Maurice Maeterlinck
Direção: Isabella Raposo
Classificação indicativa: Livre
Sinopse: Três mulheres cegas estão perdidas em uma floresta à espera de alguém para guiá-las.

28/06 (QUA), 14h
Seminário de Pesquisas da Direção Teatral

Pesquisa: “Processos de criação da cena – Parte 2 – Corpo e política na cidade”
Prof.ª orientadora: Adriana Schneider
“Arte e política em companhias teatrais”
Autora: Taís Sobrinho Trindade
“Investigações sobre a produção artística negra na cena carioca”
Autor: Daniel Alves de Oliveira
“Dramaturgia Drag”
Autor: Gabriel Martins Silva (PIBIC/CNPq/UFRJ)
“A cena do espectador”
Autora: Camila Simonin

Pesquisa: “O trágico e a cena contemporânea”
Prof.ª orientadora: Carmem Gadelha
“Detritos humanos na experiência de um não-lugar”
Autor: Ian Calvet Marynower (PIBIC)
“Tchekhov e a escritura do silêncio enquanto narrativa”
Autor: Henrique Bueno

Pesquisa: “Fazendo Gênero”
Prof.ª orientadora: Celeia Machado
“Máscara neutra com não atores – uma experiência com alunos do ensino médio do CAp/UFRJ”
Autora: Mayara Tenório Gomes (PIBIAC)
.
Pesquisa: “Formas de composição do ator contemporâneo brasileiro – possíveis inserções, congruências e fricções em poéticas de encenação”
Prof.ª orientadora: Jacyan Castilho
“O movimento no palco a partir das relações entre o Sistema Laban e Viewpoints”
Autora: Camila Simonin (PIBIAC)
“Acessibilidade no palco e plateia – interação entre e para deficientes visuais com poéticas de encenação”
Autora: Silvia Galter (PIBIAC)

Pesquisa: “SUAT – Sistema Universitário de Apoio Teatral”
Prof.º orientador: José Henrique Moreira
“O site do SUAT”
Autora: Nádia Oliveira (PIBIAC)

Pesquisa: “Desilha – projeto de pesquisa em arte e cidade”
Prof.ª orientadora: Livia Flores
“Arte, cultura, comunicação e educação de resistência na Maré”
Autor: Davi Marcos (PIBIAC)

Pesquisa: “Poéticas da Negação”
Prof.ª orientadora: Livia Flores
“Poéticas do alcance”
Autor: João Wladimir Bernardes (PIBIC)
“Atravessando a rua da crise”
Autor: Homero Ferreira Kaneko (PIBIAC)

29/06 (QUI) e 30/06 (SEX), 18h
“Muito barulho por nada”, de William Shakespeare
Direção: Antonio Ventura
Classificação indicativa: 12 anos
Sinopse: A antipatia que Benedito e Beatriz sentem um pelo outro só é superada pelo horror que ambos têm ao casamento. Mas, se depender dos amigos dele e da família dela, a solteirice dos dois está com os dias contados.

29/06 (QUI) e 30/06 (SEX), 20h
“Está Lá Fora”, livremente inspirado em “Está Lá Fora Um Inspetor” de J.B. Priestley
Direção: Isabel Figueira Sanche
Classificação indicativa: 16 anos
Sinopse: Em “Está Lá Fora”, uma família é surpreendida pela visita de uma investigadora da polícia, que confronta cada membro a partir da investigação de seu caso.

03/07 (SEG) e 04/07 (TER), 18h
“A Incelença”, de Luiz Marinho
Direção: Mayara Tenório
Classificação indicativa: Livre
Sinopse: Em Timbaúba, Zona da Mata pernambucana, o povo se alvoroça com a morte de Querino, que de santo não tem nada. Entre rezas e gargalhadas, esse coro canavieiro se faz à mostra.

03/07 (SEG) e 04/07 (TER), 20h
“Homens de Papel”, de Plínio Marcos
Direção: Daniel Ferrão
Classificação indicativa: 16 anos
Sinopse: À margem da sociedade, catadores de papel tentam sobreviver. Em condições precárias de trabalho, estão submetidos a um encarregado, que compra o papel abaixo do preço e superfatura na venda depois. Esta realidade provocará a insatisfação de todos, levando-os a buscar mecanismos para transformar suas histórias.

05/07 (QUA), 18h
Performances da Dança da UFRJ
1. “Agora ou nunca Mais” (07 min)
Sinopse: Kairós: a experiência do momento oportuno. Em 13,3 bilhões de anos possíveis desde a criação do Universo, 3 corpos habitam o mesmo Tempo. Este encontro ímpar se dilata; juntos fazem disso uma oportunidade de Dança. O Universo nos colocou para existir no mesmo Tempo, um instante único que só pode acontecer agora ou nunca mais.
Classificação indicativa: Livre

2. “Olhar Entre” (12 min)
Sinopse: Pesquisa que se dá no olhar entre objetivação e subjetivação, a corporeidade do olhar entre e o corpo que se cria na cena. Pensando em não reduzir a visão a um só órgão e nem tornar-se dependente da mesma, e bebendo do Bosque sem nome da Alice através do espelho de Lewis Carrol, convidamos ao espectador, um convite a experienciar o olhar entre e viver a imaginação.
Classificação indicativa: Livre

3. “O2” (08 min)
Sinopse: O trabalho coreográfico “O2” traz a respiração como principal objeto investigativo, transformando-a para além de uma mera capacidade física; investindo-a e investigando-a nas possíveis construções poéticas através das partes do corpo individual e do coletivo; delineando diferentes qualidades expressivas do gesto e da cena.
Classificação indicativa: Livre

4. “Os Bichos (Escuda)” (09 min)
Sinopse: “Os Bichos” são contornos. Mas contornos como movimentos; imersos em intensidades e energias. Há o desejo. O desejo é experimentar. Ritmicidades e dinâmicas. Os bichos não negam a existência dos seus moldes corporais, mas, na experimentação, tiram toda a seriedade desses moldes e os re-moldam. Não quer que se chegue ao fim, concluir, afirmar, eles querem se perder na experimentação. Fragmento do Memorial (TCC) “Escuda: exposições sobre um corpo usuário de Dança”.
Classificação indicativa: Livre

5. “Mulheres sem nome” (05 min)
Sinopse: Em resposta a essa demanda pessoal surge uma composição coreográfica que une dança e poesia para fazer uma crítica a essa sociedade machista e racista que sexualiza os nossos corpos negros. Dando voz a favela trazemos o ritmo do Funk para dentro da universidade, discutindo também a importância de estarmos nesse lugar aparentemente plural, mas um tanto quanto elitizado.
Classificação indicativa: 14 anos

6. “Realidade Fictícia” (08 min)
Sinopse: Uma imagem de carnaval é engolida por acontecimentos e marcas; alimentado pela violência, o trabalho atravessa o clichê com o gesto embutido a comandos e rivalidade. Causa e inocência são tidos em um, numa política de festa e marginalidade.
Classificação indicativa: 14 anos

7. “Prelúdio da Mãe Preta” (Fragmento) (15 min)
Sinopse: Isaura é mãe de alguns. Mulher forte, guerreira, solteira e grávida de mais um. Mais um rebento preto está prestes a nascer. Beirando a loucura, Isaura vomita suas confissões pré-parto na arena de força que se forma ao seu redor. Através da teia de atenção, solidariedade, afeto e contágio, desaba, dá a luz e renasce em meio as indagações que insurgem em seu corpo presente e resistente que re-existe a cada lampejo de esperança.
Classificação indicativa: Livre

REALIZAÇÃO: Escola de Comunicação da UFRJ, PROART – Programa de Apoio às Artes – Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ

CO-REALIZAÇÃO: Escola de Belas Artes – UFRJ e Escola de Educação Física e Desportos da UFRJ

APOIO: Casa da Glória, IATEC – Instituto de Artes e Técnicas em Comunicação, IPUB – UFRJ – Instituto de Psiquiatria

Esse evento foi apoiado pelo edital PROFAEx – Programa Institucional de Fomento Único de Ações de Extensão 2017, da Pró-Reitoria de Extensão da UFRJ (PR-5)

 

Detalhes do evento:


Loading Map....

Dia(s): 21/06/2017 - 05/07/2017
Horário: 0:00

Local: Escola de Comunicação da UFRJ (Sala Vianninha)
Av.Venceslau Brás, nº 71 - Urca/Campus da Praia Vermelha
Rio de Janeiro - RJ CEP 21061030

Categoria(s):

Inscrição:

A confirmação de inscrição no evento é de responsabilidade do organizador do mesmo.

Valor: GRATUITO
Período de inscrição:Não possui inscrição. Senhas 1h antes de cada apresentação. Sujeito à lotação.
Site: www.facebook.com/MostraDeTeatroDaUfrj/
Instituição responsável: Universidade Federal do Rio de Janeiro - CFCH - Escola de Comunicação - Curso de Direção Teatral
Email do organizador:mostraufrj@gmail.com
Telefone de contato: (21) 99951-8781

Comments are closed.