Paisagem e gênero: estratégias identitárias e subjetivação de corpos

Seminário Paisagem e gênero: estratégias identitárias e subjetivação de corpos

O seminário propõe uma pauta de conversações que sinalizam não somente demandas de enfrentamento do recorte temático do evento no ambiente acadêmico, como também, destaca o seu maior trânsito nas diferentes esferas da sociedade, atualizando a discussão e indicando outras esferas de questionamentos.

Se o debate sobre a paisagem na atualidade amplia seus diálogos através de diferentes áreas do conhecimento e, em perspectiva, segue oferecendo elementos que lhe garantem distinção conceitual e envergadura teórica, podemos reconhecer que tanto, os fundamentos epistemológicos que norteiam esta temática, quanto a sua própria abrangência discursiva, renovam as leituras sobre o tema e, consequentemente, conduzem a discussão a um outro patamar.

Ao admitir, portanto, a criação e recriação de planos interpretativos originais, apontamos para a possibilidade tanto de rupturas entre os corpos teóricos já firmados como também, para a subordinação à novas pautas de estudos que, por sua vez,  constituem outras matrizes teóricas que vem deslocando e alterando o debate sobre  paisagem e gênero.

Compreendemos, portanto, que a materialidade daquilo que ganha forma concreta e representatividade simbólica na paisagem, somada aos jogos discursivos reivindicados pelo debate contemporâneo, exige uma maior vigilância epistemológica para o exame dos fenômenos sociais diretamente relacionados às questões de gênero, sobretudo aqueles relativos à mentalidade de uma sociedade que oprime, marginaliza e pune grupos sociais que rejeitam no seu cotidiano padrões conservadores.  Nesse sentido, a aliança proposta entre os campos temáticos de gênero e paisagem, a princípio, surgem como argumento investigativo que pretende não apenas contextualizar a discussão dos estudos gays e lésbicos e teorias feministas, mas especialmente, contrastá-los, em termos de performatividade (BUTLER, 2012) frente ao cenário urbano, tentando  assim, interpretar como as identidades construídas no interior da linguagem e do discurso (BUTLER, 2012) de minorias, vigoram e se consubstanciam nas representaçõespráticas apropriações da paisagem, seja  pelo viés cultural e artístico ou, particularmente, por insurgências que ganham relevo em ações de resistência ou, na  luta contra mentalidades arraigadas às tradições político-religiosas conservadoras.

A partir de tal perspectiva aproximamos os referenciais de debate sobre gênero aos fundamentos teóricos que atravessam o campo de estudos  da paisagem tendo em vista identificar conexões para: (i) estabelecer pontos de convergência; (ii) avaliar suas dimensões e; (iii) verificar como é possível criar interfaces entre  os dois campos temáticos.

O binômio paisagem e gênero, emerge como matriz conceitual entre o mosaico de temas investigados pelos pesquisadores do Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas.

CRONOGRAMA DO ENVIO DE COMUNICAÇÕES/INSCRIÇÕES
 Edição Rio de  Janeiro – Dias 12 e 13 de novembro de 2019.

  1. Submissão de propostas de comunicação:  até 10 de Setembro de 2019.
  2. Notificação de aceitação: até 30 de Setembro de 2019.
  3. Data limite para inscrição e pagamento da taxa: até 05 de Outubro de 2019
  4. Divulgação do programa: 01 de novembro de 2019
  5. Inscrição para ouvintes/assistência:  até 07 de novembro de 2019 

Detalhes do evento:


Carregando mapa ....

Dia(s): 12/11/2019 - 13/11/2019
Horário: O dia inteiro

Local: Casa da Ciência da UFRJ
Rua Lauro Miller, 3
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro CEP

Categoria(s):

Inscrição:

A confirmação de inscrição no evento é de responsabilidade do organizador do mesmo.

Valor: A consultar
Período de inscrição:25/02/2019
Site: https://paisagenshibridas.eba.ufrj.br/2019/02/14/seminario-paisagem-e-genero/
Instituição responsável: Escola de Belas Artes | Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas -GPPH-EBA/UFRJ
Email do organizador: seminariopaisagemegenero@gmail.com
Telefone de contato: (21) 98465-9547

Comments are closed.